Antes de explodir, aguarde 6 segundos.

Antes de explodir, aguarde 6 segundos.

Vivemos imersos numa enxurrada de informações e solicitações diárias, todas muito importantes e urgentes. A internet fez com que as necessidades sejam todas imediatas e, como temos acesso a um número cada vez maior de ofertas de produtos, serviços e soluções, todas ao alcance de um click ou pesquisa no Google, somos tiranos de nós mesmos (e dos outros) e não nos damos descanso até que encontremos aquilo que satisfaz essas necessidades. Afinal, temos tudo ao nosso alcance.

E no meio disto tudo, não nos damos conta de que muitas vezes nossa tolerância e nossa paciência ficam por um fio, e a menor contrariedade nos faz sair do prumo, do equilíbrio. Agimos impulsiva e emocionalmente e quando vemos o estrago já foi feito: já fizemos ou dissemos coisas das quais nos arrependemos e que deixam um rastro de angústia, mais estresse e relacionamentos afetados.

Então, antes de explodir com alguém porque as coisas não estão saindo como deseja ou porque a pessoa não entende seu ponto de vista, ou porque o filho não arrumou o quarto ou porque o trânsito está ruim e tantas outras coisas, sugiro que utilize a técnica dos 6 segundos. Quando estiver prestes a explodir pare e pense em: dez capitais mundiais, 6 nomes com a letra Z, lembrar do nome dos sete anões, lembrar de 6 coisas positivas na sua vida, etc.

Parece bobo. E é!! Essa pausa que você se dá entre o gatilho ou estímulo que faz você explodir, e a resposta que você vai dar, é suficiente para que você respire e dê uma resposta mais adequada e mais racional. Dessa maneira você foge da impulsividade e dá oportunidade a você mesmo de elaborar uma resposta mais equilibrada. Precisamos nos lembrar que o nosso interlocutor também está imerso nessa mesma realidade e, que salvo algumas situações específicas, quase sempre a questão não é pessoal.

Infelizmente, temos o hábito de nos colocar no centro de tudo e a menor discordância é entendida como uma forma de ataque à qual temos que responder à altura. Quanto mais pudermos nos manter em equilíbrio, mais condições teremos de responder às provocações do mundo sem que isso seja sinônimo de desgaste, angústia e estresse.

Mônica Cavalcanti
Mônica Cavalcanti
Sou formada em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e Pós Graduada em Gestão Estratégica de RH pela Universidade Estácio de Sá atuando há mais de dez anos em cargo de gestão na Área de RH em empresas de médio e grande porte do varejo, indústria e de serviços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *